Verdades do Corpo | O MEDO AO FRACASSO
Representa uma visão alternativa à saúde baseada na biodescodificação de uma sintomática física ou psicológica, numa intervenção terapêutica que dirige à cura profunda emocional. Serviços: Psicologia Clinica, Psicossomática Clinica e Humanista, Psicogenealogia, Sexualidade Masculina, Numerobiologia.
Psicologia, Psicossomática, somática, placebo, biodescodificação, relacionamento, Clinica, Humanista, numerologia, Saúde, Mente, Psicogenealogia, genealogia, família, sexualidade, masculino, homem, gravidez, corporal, inconsciente, emoção, cérebro, gestação, antepassados, infância, equilíbrio, acupunctura, auriculoterapia, biologia, repressão, doença
21525
post-template-default,single,single-post,postid-21525,single-format-standard,cookies-not-set,ajax_fade,page_not_loaded,,content_with_no_min_height,select-child-theme-ver-2.8,select-theme-ver-3.9,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

O MEDO AO FRACASSO

Em consulta (e também nas ruas do dia-a-dia), existe um conflito emocional muito comum que se chama:

 

 

O MEDO AO FRACASSO

 

 

Muitos pacientes, quando recorrem a consultas de Psicologia, transportam consigo, numa mochila engenhosamente escondida, este conflito emocional. Um conflito bem mais comum do que a maioria julga. Perversamente, em muitas crianças em fase pré-escolar também.

 

O MEDO AO FRACASSO é um dos medos inconscientes mais aterrorizantes que é vivido nesta sociedade. O medo ao fracasso é comparável a uma sensação de vertigem fatal, de queda ou de tombo, que nos deixa totalmente impotentes em aguentar com a pressão da “gravidade”.
O fracasso é tido como uma morte simbólica numa sociedade patologicamente competitiva.

 

Ninguém deseja fracassar, ninguém deseja cair, quer seja na vida profissional ou amorosa.

 

A queda está proibida pois ninguém quer fazer parte do “mundo dos fracassados”.

 

 

A “Luta pelo Sucesso” é nada mais um sintoma reativo a este conflito. Pessoas que buscam subir na escada profissional e social são movidas pelo pavor vertiginoso em cair desamparadamente. “Quanto mais alto subo, mais me afasto do meu chão.” O medo ao fracasso alimenta um sem fim de sonhos e ilusões dispendiosos, em busca efémera dos seus antídotos:
Reconhecimento e Valor Social.

 

Quando o conflito atinge a um ponto extremo, o corpo (o nosso maior GURU) comunica através de patologias osteoarticulares dos membros inferiores. As pernas tem a função em suportar o peso do corpo e são o meio de locomação em direção ao lugar onde se objetiva ir (lugar físico e simbólico). Quando a luta contra este conflito é exagerada, as pernas não se permitem ceder, acabando por criar microtensões musculares que estão na base de várias lesões.

 

O medo de fracasso é como um fungo que se espalha por entre as camadas psíquicas e orgânicas do ser-humano animal.

 

Muitas pessoas têm a crença que, necessitar de consultas de Psicologia, é sinónimo de fracasso. Escondem de si mesmas essa crença, acabando por bloquear inconscientemente o processo natural de cura.

 

O medo do fracasso é humano, talvez seja o principal sintoma de uma sociedade inerentemente doente e carente de autenticidade.

 

O primeiro passo para um processo terapêutico de “sucesso” é aceitar o fracasso e toda a gama de emoções vergonhosas que tal aceitação implica.

 

A vergonha da queda reforça o conflito inconsciente. Negar o fracasso leva a um caminho muito perigoso, onde o corpo e mente não irão suportar a inevitável carga da gravidade criada por uma pressão emocional invisível.

 

Paradoxalmente, por constatação prática e validação teórica, a solução emocional aparece quando se aceita o fracasso e se permite tombar. Nesse momento, a mente abdica da sua supremacia e o corpo autoriza-se a relaxar.

 

 

O MEDO AO FRACASSO é nada mais que um programa inconsciente injectado pela mente coletiva. Instintivamente, a criança não conhece este medo. Nos primeiros anos de vida quando a aprende a andar, nesse descoberta ela cai e automaticamente torna novamente a levantar-se. Se este medo fosse “natural”, o ser-humano não aprenderia a caminhar.

 

Quando o conflito passa a ser aceite e integrado, a solução para o problema que se interpreta como “fracasso” acaba SEMPRE por surgir de uma mágica e inesperada.

 

Tal como um professor explicou este conflito, em tom jocoso:

 

“A vida só muda quando aceitas que estás na merda”.

 

 

MARCO SOUSA

Sem comentários

Faça o seu comentário