Verdades do Corpo | PROJECTO SENTIDO GESTACIONAL
Representa uma visão alternativa à saúde baseada na biodescodificação de uma sintomática física ou psicológica, numa intervenção terapêutica que dirige à cura profunda emocional. Serviços: Psicologia Clinica, Psicossomática Clinica e Humanista, Psicogenealogia, Sexualidade Masculina, Numerobiologia.
Psicologia, Psicossomática, somática, placebo, biodescodificação, relacionamento, Clinica, Humanista, numerologia, Saúde, Mente, Psicogenealogia, genealogia, família, sexualidade, masculino, homem, gravidez, corporal, inconsciente, emoção, cérebro, gestação, antepassados, infância, equilíbrio, acupunctura, auriculoterapia, biologia, repressão, doença
20264
page-template-default,page,page-id-20264,page-child,parent-pageid-20242,cookies-not-set,ajax_fade,page_not_loaded,,content_with_no_min_height,select-child-theme-ver-2.8,select-theme-ver-3.9,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

PROJECTO SENTIDO GESTACIONAL

O Projecto sentido gestacional (PSG) é conhecido também como Projecto Parental Inconsciente e foi desenvolvido pelo psicólogo clínico Mark Frechet, responsável também pela descoberta dos Ciclos Biológicos Celulares Memorizados. Actualmente, várias instituições académicas em França, na Bélgica e na Holanda estudam a importância desta descoberta no desenvolvimento do ser humano.

 

O PSG é um período de vida que vai desde os 3 meses antes da concepção até ao ano e meio de idade.

 

No momento da gestação, o preenchimento da rede neuronal é impregnado pelas mais variadas mensagens.

Uma criança não nasce como tábua rasa, mas com mensagens inconsciente trazida pelo casal. No interior da placenta, o desenvolvimento orgânico do feto é acompanhado por desenvolver de padrões somatossensitivas nas redes neurológicas.

Não é descabido criar a analogia com um software de computador: programas conscientes e inconsciente por parte dos pais são transmitidas ao inconsciente biológico do descendente, condicionando a forma como futuramente irá percepcionar a vida. Quanto mais forte a mensagem, maior o seu impacto na saúde e na mente.

 

Como exemplo facilitador da compreensão é o caso de uma consultante com uma desordem amorosa. Com 33 anos, já se encontrava numa segunda relação. Desde a sua adolescência que teve sempre dificuldade em manter compromissos estáveis. A palavra “casamento” causava-lhe sempre um stress cuja origem não conseguia explicar. Ao explorar o seu PSG, descobriu que o seu projecto foi de “filha-medicamento”. A sua mãe, quando a concebeu, encontrava-se na Alemanha, emigrada longe da família e num estado depressivo profundo. O seu pai, responsável pelo bem-estar da sua esposa, procurou “oferecer-lhe” uma companhia para que não se sentisse tão sozinha numa terra fria e desconhecida. A menina nasceu com o objectivo de ser o “medicamento emocional” da mãe, tendo-se mantido fiel ao programa desde que foi concebida. Como “casamento” para o inconsciente representa simbolicamente ser mãe, este acto em si trazia um stress inconsciente derivado do seu PSG, o que a fazia evitar qualquer tipo de compromisso amoroso. Enquanto se manteve fiel ao projecto inconsciente dos pais, tornava-se vítima do impulso em não querer ser mãe, de modo a evitar toda a dor vivida pela mãe durante a sua ausência num país desconhecido.

 

Como PSG, podem existir filhos não desejados, não reconhecidos, de sexo não desejado, filhos “medicação do casal”, filhos “fonte de sonhos frustrados”, filhos “cola-casal”, filhos “pilar da família”, filhos “bastão da velhice”, filhos “salvadores”, etc… As mensagens presentes no PSG tanto podem ajudar a capacitar a nossa adaptação ao mundo real como podem ser responsáveis por várias doenças e/ou mal-estar psicológico.

Uma mensagem incutida através do PSG recai sobre o inconsciente individual, convertendo-se em futuros temas de sobrepeso, perturbações alimentares como anorexia e bulimia, problemas na função digestiva, nas vias respiratórias, doenças cardíacas, distúrbios comportamentais e problemas amorosos e financeiros, entre outros.

O PSG pode ocupar uma pequena ou grande percentagem de influência em cada sintoma, dependendo da intensidade do drama. Com o trabalho terapêutico descobrimos que trazemos programas que estão alojados no nosso inconsciente biológico que não são nossos, mas sim derivados de projecções e introjecções do lado inconsciente dos pais.

 

A terapia consiste na consciencialização do drama parental desestabilizador que está na base do stress psicobiológico inconsciente, dando ao consultante uma maior capacidade de escolha e uma sensação superior de liberdade. Soltando o stress emocional residente no inconsciente, a pessoa poderá ser levada a transformações benéficas bastante surpreendentes na sua vida.

Créditos da imagem: healthdoctrine.com